Sexta, 17 de Novembro de 2017

Carreiras estão surgindo por conta dos influenciadores digitais

Em um mundo cada vez mais digital, nenhuma marca pode desprezar o poder dos influenciadores da internet. Ter um produto promovido por blogueiros, youtubers e instagrammers influentes pode fazer a diferença nos resultados de um negócio. Mas identificar a celebridade virtual certa para fisgar cada tipo de público não é uma tarefa simples.

Segundo números recentes da Rede Snack, multiplataforma de canais validada pelo YouTube, há hoje 6 milhões de influenciadores digitais no mundo. Só no Brasil, são 313 000. E é por isso que uma nova área, o marketing de influência, vem crescendo e gerando oportunidades de trabalho para profissionais capazes de mapear, avaliar e desenvolver as pessoas mais influentes da internet.

Trata-se de um mercado muito novo, mas um levantamento realizado por Edney Souza, professor de marketing digital na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), de São Paulo, aponta pelo menos 84 empresas, entre agências, redes e plataformas, atuando como intermediárias no relacionamento entre marcas e influenciadores.

E novas carreiras e posições surgem na esteira desse fenômeno. “As empresas ainda estão criando e nomeando os cargos que atendem a esse novo segmento”, diz Genis Fidelis, consultor sênior da Michael Page, empresa de recrutamento, de São Paulo.

Há, por exemplo, o gestor de comunidade e relacionamento, que faz o meio de campo entre marcas e influenciadores digitais; o produtor de conteúdo digital, especializado em textos para a web; e até o apreciador de vídeos. “Uma agência já me procurou para recrutar um candidato júnior que gostasse muito de redes sociais, especialmente o YouTube, para assistir aos vídeos da plataforma e identificar canais e youtubers com potencial”, diz Isis Borge Sangiovani, gerente de recrutamento da Robert Half, de São Paulo.

E a oferta de vagas não se limita às áreas de comunicação, marketing e propaganda. A tecnologia também entrou na dança. Já há, hoje, empresas especializadas no desenvolvimento de plataformas capazes de selecionar influenciadores de acordo com métricas de audiência e engajamento e dados sobre temática e público-alvo. Squid, Spark, Incast, Digital Stars e Celebryts são algumas das novatas que crescem e contratam na onda do marketing de influência.

Desde que foi criada, em 2014, com o objetivo de melhorar a comunicação de marcas com microinfluenciadores e “brand­lovers” (pessoas tão apaixonadas por uma marca que advogam a seu favor), a Squid contratou 20 pessoas para sua equipe, 15 somente neste ano. E ainda há vagas abertas. “Estamos admitindo para as seguintes áreas: operacional, que cuida do relacionamento entre influenciadores e marcas; de produto, formada por programadores que desenvolvem algoritmos para analisar o desempenho das celebridades digitais nas redes; e comercial”, diz Carlos Tristan, sócio-fundador da Squid, de São Paulo.

A Spark, empresa de mídia especializada na ativação de marcas por meio de influenciadores e personalidades, também está com o quadro de pessoal em expansão. Foram nove vagas preenchidas em 2016 e oito em 2017. “Buscamos profissionais que conheçam e entendam os objetivos de cada rede social, os formatos comercializáveis em cada uma delas e os dados que elas geram. Valorizamos quem saiba cruzar essas informações, com métricas para mensurar a eficiência das ações propostas por nossa equipe”, diz Raphael Pinho, sócio-diretor da Spark, de São Paulo.

Leonardo Andrade, de 31 anos, é um dos profissionais que viram nessa tendência a oportunidade de crescer.

Formado em design de produto e com um MBA em marketing em andamento, ele trocou, há dois meses, o emprego numa agência onde realizava campanhas nos moldes tradicionais para marcas como Heineken e Nestlé por uma vaga na Spark.

Seu novo trabalho consiste em traçar estratégias de marketing de influência que cumpram os objetivos de marcas que buscam celebridades digitais para suas ações. “O potencial da área e a possibilidade de trabalhar em um ambiente mais leve me motivaram a fazer a transição”, diz Leonardo. Segundo ele, além de ter um clima descontraído e maior liberdade de criação, a nova área oferece salários melhores. “Há mais ferramentas disponíveis para elaborar uma estratégia que resolva os desafios do cliente. É um mundo novo de possibilidades”, diz o designer, que recebeu um aumento de 30% na nova função.

Contratação flexível

Os headhunters de talentos digitais costumam ter formação em administração, comunicação ou tecnologia, mas também podem vir de outras áreas. O que vai diferenciá-los é a visão holística, a capacidade de aprender rápido e o conhecimento sobre o mundo virtual, com domínio de redes como Facebook, Instagram, Pinterest, Twitter e YouTube. “A oferta de cursos específicos para a área hoje é pequena e o mercado ainda está se definindo. Isso faz com que os recrutadores sejam mais flexíveis”, afirma Isis, da Robert Half. Por isso, não há pré-requisitos muito rígidos.

O mais importante é que o candidato comprove ter contribuído com resultados positivos nas empresas onde trabalhou e demonstre habilidades técnicas e comportamentais que o qualifiquem de alguma forma para a nova função. “A preferência tem sido por perfis analíticos, capazes de mensurar e quantificar resultados e que tenham um viés da área de humanas para avaliar se o conteúdo publicado pelo influenciador é adequado ao propósito da campanha”, diz Genis Fidelis, da Michael Page.

Mas essas não são as únicas características exigidas. Criatividade, curiosidade e proa­tividade também são importantes para ingressar nesse nicho. Apesar de a maré estar alta, só vencerá quem souber nadar pelas agitadas águas da tecnologia e das redes sociais.

Competências essenciais para um profissional se destacar no campo do marketing de influência

Perfil analítico e técnico: Para analisar a audiência do influenciador e a qualidade do conteúdo divulgado por ele nas redes.

Capacidade de aprendizado: Como o universo digital vive em constante transformação e novas ferramentas surgem a todo momento, é preciso adquirir conhecimento com agilidade

Familiaridade com redes sociais: Conhecer profundamente os recursos e as ferramentas de redes como Facebook, Instagram, Pinterest, Twitter e YouTube é fundamental

Experiência em análise de dados: É bastante valorizado o domínio de ferramentas, como Google Analytics (que mede o desempenho de sites), Google Attribution e Adobe Analytics (para medir o impacto e o resultado de uma campanha), e de recursos de social media listening, como Social Mention, TweetDeck, Reachli e HowSociable.

Nos bastidores das redes sociais*
Entenda o trabalho das diferentes carreiras relacionadas ao marleting de influência

Influencer planner: Define a estratégia que vai aproximar uma marca de seu público-alvo e avalia quais influenciadores têm o melhor perfil para representar campanha.

Quanto ganha: de 4 000 a 12 000 reais

Analista e gerente de mídia digital

Na agência tradicional, é quem negocia a contratação de espaços na mídia, como anúncios em jornais, revistas e televisão. No marketing de influência, esse profissional fecha acordos comerciais com blogueiros e youtubers para divulgar marcas em seus canais na internet. Também acompanha os resultados das ações.

Quanto ganha: de 3 000 a 7 000 reais

Gestor de comunidade e relacionamento

O antigo analista de mídia social, que monitorava canais e também produzia conteúdo, agora tem como principal atividade conhecer bem os influenciadores e fazer contato direto com eles. É esse profissional que mantém ativo o relacionamento da marca com blogueiros, youtubers e instagrammers.

Quanto ganha: de 2 500 a 6 000 reais

Analista e gerente de conteúdo digital

Os redatores publicitários ganharam um novo nicho e passaram a produzir conteúdo para campanhas com influenciadores digitais. São eles que fazem os textos para marcas que desejam ter seus produtos e serviços divulgados na web.

Quanto ganha: de 2 500 a 7 000 reais

*Fonte: Edney Souza, professor de marketing digital na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), de São Paulo.

 

Fonte: Revista Exame

Ler 75 vezes