Sexta, 24 de Novembro de 2017

Sinfor/DF discute terceirização e liderança nas empresas de TI

Avalie este item
(1 Votar)

 

Empresários e colaboradores de setores estratégicos para o ambiente interno das organizações do setor de Tecnologia da Informação estiveram reunidos, nesta quarta-feira (24), para debater os Recursos Humanos. O encontro foi o lançamento do Workshop de RH de TI, promovido pelo Sindicato das Indústrias da Informação do Distrito Federal (Sinfor/DF), com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do DF (Sebrae/DF).

 “A Tecnologia da Informação tem uma característica muito peculiar por sua matéria prima serem as pessoas, a inteligência e capacidade de cada um. Esse encontro não é apenas para CEO’s ou diretores. É para todos que lideram em seus setores ou que desejam chegar a um posto de liderança”, explicou Ricardo Caldas, presidente do Sindicato.

Entre os assuntos mais atuais, a terceirização foi abordada pelo especialista em Direito e Processo do Trabalho, Guilherme da Hora. Segundo o advogado e consultor sindicalista, o modelo que tem sido debatido no Congresso Nacional é uma reprodução do que já ocorre em diversos países desenvolvidos, a exemplo dos Estados Unidos e Europa.

Para os empresários, o tema é pacífico e unânime: a proposta de mudanças na legislação é apenas um reconhecimento das diversas formas de contratação que já ocorrem no mercado. “Essa discussão veio em boa hora. Estamos falando sobre uma lei da década de 40, que precisa ser atualizada. Não faz sentido obrigar um funcionário a bater ponto. Vários profissionais já trabalham de casa e trabalham por projeto. A tecnologia resolve isso muito bem”, disse Graciomário Queiroz, diretor de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico da Federação das Indústrias do DF (Fibra).

O secretário-adjunto de Trabalho, Thiago Jarjour, lembrou que a reforma será positiva no sentido de adequar as contratações a real necessidade do mercado. “Por que ainda não temos, por exemplo, a opção de trabalhar por hora? Por que um restaurante precisa ter a mesma quantidade de garçons em uma segunda-feira, quando a demanda é baixa, e no domingo, quando o atendimento é muito mais intenso?”, questionou. “A reforma trabalhista vem para proporcionar maior empregabilidade olhando para as novas relações de trabalho. A despeito de qualquer coisa, temos que modernizar as leis. Com todas as alterações que foram feitas, a modernização ainda foi muito humilde”, disse Jarjour.

O empresário Paulo Ribeiro mantém maior parte do quadro da empresa da Fast Help em contratos regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), porém compareceu ao evento para conhecer as propostas de alteração da legislação e compreender os melhores formatos a serem adotados. “Preciso entender bem para saber o que se aplica aos nossos negócios: em quais funções eu posso aplicar e como isso está se desenhando. A gente entende que é uma mudança importante para a economia, isso deverá gerar mais oportunidades de trabalho”, afirmou.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Startups e Empreendedorismo Digital (Asteps), Hugo Giallanza, as mudanças são uma forma de atrair e reter talentos no Brasil. “A gente compete com o mundo, onde existe um modelo de contratação simplificado. Isso gera um problema. Não sabemos se permanecemos aqui ou vamos para fora, por questão de competitividade. Como presidente de entidade, incentivo para que as pessoas fiquem aqui, para fomentar o desenvolvimento do País”, declarou.

Marco Brito, especialista em Liderança e Transformação Organizacional, abordou também a relevância de ter em mente os objetivos de cada empresa e visualizar a posição que ela quer alcançar. “É preciso que os colaboradores sejam líderes com capacidade de ação, de colocar entusiasmo no que querem fazer e não causar a instabilidade interna da equipe, colocando temor no ambiente de trabalho”, explicou.

Workshop RH de TI

O Workshop de RH de TI deverá ocorrer a cada três meses com o objetivo de capacitar e esclarecer pontos polêmicos que envolvem o departamento de contratações. Segundo Ricardo Caldas, presidente do Sinfor/DF, o evento promove o desenvolvimento das empresas por meio da valorização do capital humano.

Para Graciomárcio Queiroz, diretor da Fibra, a iniciativa mostra que o Sinfor/DF tem visão futurista por se preocupar com a formação cultural do profissional da área no momento em que, segundo o diretor, o mundo passa por um momento de revolução na tecnologia. “Brasília tem mais de nove mil mestres e doutores. É a cidade que tem a maior capacidade de inteligência do Brasil. O Sinfor/DF viu isso com muita propriedade, porque a Capital Federal pode ser um polo de capacitação e treinamento de profissionais deste nível até para ser exportado para outras regiões do Brasil”.

Thiago Jarjour, secretário-adjunto de Trabalho, ressaltou que o ecossistema de inovação e de TI há muito talento, mas é necessário estar sempre atualizado. “Quem está parado já está dando marcha à ré. Por isso louvo tanto esse workshop. Se qualificar, capacitar, reciclar nunca é demais”, afirmou.

 

 A participação no evento é gratuita. As inscrições são realizadas por email na medida em que são anunciados os temas da referida edição no site do Sindicato (www.sinfor.org.br). 

Ler 673 vezes Última modificação em Maio 25 2017