Segunda, 18 de Dezembro de 2017

Brasil melhora em ranking que avalia os serviços de telecomunicações

Telefonia Quinta, 16 Novembro 2017 23:51 tamanho da fonte diminuir o tamanho da fonte aumentar o tamanho da fonte
Em relatório divulgado nesta quinta-feira (16/11) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a União Internacional de Telecomunicações (UIT) da Organização das Nações Unidas (ONU) coloca o Brasil em 66º lugar entre 176 países, nos quais foram analisados os usos de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Entre 35 países das Américas/Caribe, o país ficou em 10º lugar na utilização de serviços de telecomunicações.
 
O desempenho dos países é medido pelo Índice de Desenvolvimento da Sociedade da Informação (IDI), uma combinação de 11 indicadores, nas categorias de acesso, uso e habilidades em TICs. 

Os países aumentaram, em média, 0,18 ponto no ranking total de 2017 se comparado ao relatório do ano passado. No Brasil, o aumento foi maior, de 0,23 ponto. Segundo a UIT, o Brasil elevou a proporção de usuários de internet, de 58,3% em 2016 para 59,7% em 2017. O número de assinantes de banda larga fixa subiu de 12,2% para 13% e de banda larga móvel, de 88,6% para 89,5%, no período.
 
Análise
 
O relatório analítico da UIT sobre acesso e utilização das TICs informou que a competitividade do mercado de telecomunicações no Brasil está em expansão. O documento destacou que o país é um dos maiores mercados das Américas e que existe competição de todos os serviços nas grandes cidades do país.

O relatório apontou que o crescimento da telefonia fixa está estagnada há vários anos no Brasil a sua penetração é de 20,4 por 100 habitantes, enquanto crescem os serviços móveis e o VoIP (voz sobre dados). A banda larga fixa está disponível para 13 por 100 habitantes. A penetração da telefonia móvel é 118,9 por 100 habitantes. A tecnologia 3G já está disponível para 96,9% da população.

Outro ponto importante, segundo o relatório, é que tanto o governo, quanto as empresas privadas investem no setor. Citou como exemplo a expansão de cabos submarinos e do serviço de satélites que atendem as regiões onde não é possível a instalação de fibra ótica.
 
Fonte: Correio Braziliense
Ler 61 vezes